domingo, 20 de novembro de 2011

"A vida é doce."



"I wanna push through the undiscovered
Find my answers, leave them uncovered
I wanna speak out what I believe in
That love will heal us, give us our freedom
I wanna see what's on the horizon
Change directions, stop the fightin
I need to find a way of letting it go
When everything falls apart..."

 tal qual dom quixote e suas lutas contra os "gigantes" moinhos de vento,  minha luta para entender como os dias nublados mexem comigo, como o aspecto cinza dos céus me deixa diferente, introspectivo, é um questionamento que sempre me faço. à seguir, um dos pensamentos que esse dia 'lindo' me proporcionou:

em tempos em que os conceitos de 'unidos venceremos', 'somos mais fortes juntos', e semelhantes, me pego pensando e contemplando o fato de que algumas batalhas devemos travar sozinhos, não importa que digam o contrário. algumas descobertas, alguns conflitos, algumas dores, precisamos vivenciar em 'carreira solo', por quê acompanhados podemos perder grande parte do aprendizado. a solidão pode ser benefica, por se tratar em meu modo de ver, de um 'rito de passagem' para algo a dois. sem os periodos de solidão, não existiria a valorização dos momentos proporcionados por uma conjunta. a grande questão é: como ter paciência pra saber passar por essa fase. sim, por quê muitas vezes pode ser sufocante, intoxicante, a sensação de se estar 'sozinho' no mundo, porém se entregar ao 'pânico' causado por essa sensação, não resulta em nada de bom. logo, é desnecessário. pode-se fazer milhões de perguntas, deitar-se na cama, olhar para o teto e questionar à Deus o por quê de estar vivenciando tudo aquilo.. e a resposta para as questões não pode ser outra, a não ser a seguinte: "pois é necessário."

não se vive o que não se é pra viver. a situação pela qual se passa, em algum ponto da vida, será útil. aguarde e confie. :)

this is it.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

"Paciência."

     Você sabe ser paciente? sabe abrir os olhos e observar quando não é a hora pra determinada coisa? 
     Com o advento das modernidades na vida dos seres humanos, a paciência diminuiu consideravelmente, e tudo 'tem que ser pra ontem', tem que ser imediato. muitas vezes o que queremos, não é o que precisamos, e nos flagelamos por isso de forma que nos machucamos com a espera, ao invés de vivermos o que temos pra viver no momento. Quando muito se espera, o risco de se decepcionar é maior, então o ideal é não esperar muito, mas sim FAZER muito, pra que quando acontecer algo, seja uma reação natural e proporcional ao esforço empregado.. 

     "Matt é um cara legal, um cara do bem. Já passou por muita coisa nessa vida, mas sempre se levantou das quedas com um sorriso largo no rosto, e com a certeza de que uma hora, a sorte lhe sorriria, e o vento ficaria a seu favor. O tempo vai passando, e nada das coisas mudarem. Pelo contrário, quanto mais o tempo passa, mais as coisas continuam iguais, e isso vai deixando Matt desacreditado da vida, desacreditado de que possa um dia vir a ser feliz. Com isso, Matt se deixa envolver pela amargura que é muito esperar e pouco receber, e cai na vala comum dos homens fúteis, aqueles que não ligam pra felicidade, e se deixam levar por seus hormônios e pela necessidade que essas pessoas têm de aparentar serem felizes, mesmo sem serem de fato. Matt beija 4 numa noite, 5 na outra, e passa os domingos deitado em sua cama, ouvindo Legião Urbana enquanto admira através da janela, a chuva caindo lá fora. Com o passar das horas ele cai em si e contempla toda a rotina hipócrita que tem levado, pra sustentar uma falsa aparência feliz, tão sólida quanto um purê de batatas. Ele possui 'mil amigos' nas noitadas, nas loucuras que comete, mas não consegue encontrar em nem 2 deles, confiança pra se mostrar como é de verdade, um cara machucado por tudo aquilo que sofreu, ao esperar muito da vida. Mostrar sua faceta real, arcar com as consequências de não ser daquele mundo em que insiste em estar, é algo que lhe apavora, pois trás à tona a fragilidade que alguém pode ter, quando se é diferente do senso comum. Matt para e pensa: 'pra quê tudo isso? Sou muito melhor que isso, não posso deixar que isso mude quem eu sou.' 
Imediatamente, o rapaz cai em si e percebe como uma vida fútil, impaciente, pode levar à ruína. Hoje em dia, Matt é um cara centrado, espera da vida? Sim, espera, por quê é difícil largar velhos hábitos. Porém, hoje em dia ele espera mas sabe lidar com aquilo que tem, sabendo que cedo ou tarde, o jogo vira, a maré muda, e assim leva a vida. Felizmente, pelo menos um dos homens escapou da vala comum, escapou do destino que seus 'amigos' tomaram. Ian hoje é um solteirão frustrado, que vive à base de porres de whisky semanais, e remédios para depressão. Clark, decidiu ser o eterno jovem, um coroa com síndrome de Peter Pan, que sai todas as noites à procura de garotas novas pra suprirem sua amargura em ver o tempo passar. Drogas e álcool aliviam suas dores. Quanto a Matt? O jogo virou, encontrou em Izzie seu amor eterno, casou-se e hoje é o pai dos pequenos Jimmy e Lindsay. Se reclama da vida? Não, não encontra motivos pra isso. E agradece àquele dia chuvoso, em que viu sua vida passando diante de seus olhos, e retomou o controle de seu destino."

a paciência pode trazer grandes tesouros pra nossas vidas, se soubermos aproveitar as oportunidades que aparecem à cada novo dia, ou tarde, como foi com Matt.

this is it.

Quem sou eu

Minha foto
não sabe de nada, mas acha sobre muita coisa. pensa sobre tudo, o tempo todo. repara em tudo, o tempo todo. acima de qualquer coisa, é um otimista incorrigível. não se apega a estereótipos, e acredita ser essa uma de suas maiores qualidades. prefere um sorriso bonito a um corpo escultural, e um olhar sincero em detrimento de qualquer noitada homérica. não pretende ser e nem inveja o 'estilo charlie sheen' de vida, em absoluto. quer agradá-lo? cite Los Hermanos, The Killers ou Charlie Brown Jr. quer desafiá-lo? jogue a carta +4 no UNO e aguente o revide. hahaha. a estrada vai além do que se vê. nunca se esqueça. :)

followers.